quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Post informativo para minhas cumadres grávidas - Parte II

É meninas, está chegando a hora. Muito em breve, Helena e Clara estarão aqui, bem juntinho de nós para serem devidamente esmagadas e mordidas com muito afeto. Então hoje eu vou falar de um assunto que ninguém me contou quando eu engravidei, mas que eu agradeceria muito se tivesse sido informada: o tal de Baby Blues. Vocês conhecem?

Pois é, eu também não fazia ideia do que se tratava. Eu acho que no meio de tantas coisas lindas acontecendo na velocidade da luz, as mamães esquecem de contar para as novatas sobre essa fase. MAS NÃO EUUUU, rs! Vamos ao que diz o nosso bom e velho amigo Google:

"A forma mais branda da depressão pós-parto é conhecida como baby blues, ou melancolia do pós-parto. Surge, na maioria das vezes, até o quarto dia do nascimento do bebê e dura até no máximo uma semana, tendo sintomas parecidos com os da depressão pós-parto.

Mais de 80% das mulheres têm o baby blues que, diferente da depressão pós-parto, não é uma doença. A depressão pós-parto pode aparecer a partir da segunda ou terceira semana, mas na maioria das vezes, surge na sexta semana. Um baby blues muito intenso e longo demais pode ocasionar adiante uma depressão pós-parto mais grave."


O fato é que cheguei em casa com a Nina, super dolorida dos pontos, mas muito feliz da bebezinha linda que tinha nascido. A primeira noite foi confusa, porque ela só queria dormir no meu colo e pendurada no bico do meu peito, que a essa altura já tinha ido pro espaço, mas aos trancos e barrancos demos nossas cochiladas. Foi aí que, no dia seguinte, algo de estranho aconteceu: acordei sentindo uma angustia tãããão grande e uma vontade de chorar que não passava. Me deu medo. 

Minha mãe ia lá pra casa me ajudar e eu só queria que ela me pegasse no colo e ficasse ali comigo. A vontade de chorar era constante e eu desabava minhas lágrimas sem dó. Cancelei todas as visitas, porque não estava com vontade de ver ninguém e simplesmente não conseguia entender o que estava acontecendo. Eu amava tanto a minha Nina e queria tanto cuidar dela, então pra que esse desespero? Isso somado ao cansaço, ao bico do peito rachado e ao corpitcho pós-parto foi fatal pra mim. Desabei de tristeza num momento que sempre achei que seria de felicidade plena.

Comecei a conversar com outras pessoas e fui descobrindo que isso é super comum e acontece com muitas mulheres. Então por que ninguém me falou nada, meu Deus??? Não podiam ter preparado a nova mamãe aqui pra esse momento??? O fato é que por mais que eu tentasse controlar aquela situação, não adiantava. Aquele sentimento vinha e depois vinha o chororô e não tinha jeito de evitar.

É aí que vem a parte engraçada: o babado todo durou uns 4 dias e, numa manhã, acordei como se NADA tivesse acontecido. Sem entender o motivo de tanto desespero e me sentindo leve, leve, leve...

Para as futuras mamães a 1ª boa notícia é: você não está louca!

A 2ª é: isso vai passar em breve.

E a 3ª: aproveite o momento para ganhar um mimo da família, porque daqui pra frente só vai dar o bebê.

Beijinhos

Um comentário:

  1. Nunca tinha ouvido falar nisso!
    É bom que me preparo pro futuro... rs
    Bj

    ResponderExcluir